Caminhada pelo Polje de Mira-Minde

Caminhada pelo Polje de Mira-Minde

No último dia de 2016, realizamos uma pequena caminhada no polje de Mira-Minde. Só quando chegamos ao local nos apercebemos que o polje era percorrido por um percurso de pequena rota do município de Alcanena (PR10 ACN PMS – Rota de Minde). Optamos, então, por fazer o trajeto assinalado subtraindo-lhe a parte urbana. Ainda assim, acabamos por percorrer uma distância superior a  8 km, quando o folheto do percurso apenas indica 7,5 Km de total.

Na Rota de Minde

A geologia do polje de Mira-Minde

O polje corresponde a uma extensa planície cársica (aproximadamente 4 km de comprimento por 1,8 km de largura), muito plana mas limitada por vertentes abruptas. A génese deste relevo deve-se, essencialmente à tetónica e à ação das falhas de Minde (a oeste) e de Mira d’Aire (a leste). Durante os invernos mais rigorosos o nível das águas subterrâneas sobe acima da superfície do polje, inundando-o. Esta zona húmida, apesar de temporária, impressiona pela sua grandiosidade, havendo ocasiões em que a água atinge 8 a 10 metros de profundidade. Daí, talvez, a denominação local de “mar de Minde”. Algumas das cavidades que alimentam o polje são, por si só, geossítios de elevado interesse: o Olho de Mira, a Pena do Poio, a Contenda e o Regatinho.

Gruta do Regatinho
Gruta do Regatinho

Biologicamente

Desde maio de 2006 que este espaço se encontra classificado como Zona Húmida de Importância Internacional pela Convenção de RAMSAR. O carácter fechado desta depressão e a sua inundação regular, fornecem-lhe um solo bastante mais rico que aquele que habitualmente encontramos nas zonas cársicas. Por termos visitado o local no inverno, não é possível adiantar muito sobre a sua biodiversidade com conhecimento de causa. Adianta-se, porém, a existência de uma vasta mata de pilriteiros (Crataegus monogyna Jacq.), de galerias de freixos (Fraxinus angustifolia), de oliveiras (Olea europaea L.) e de carvalho-cerquinho (Quercus faginea Lam.). A presença destas espécies revela uma curiosa mistura entre plantas de zonas húmidas e de zonas secas, o que revela bem a polaridade sazonal do polje.

Caminhada pelo polje de Mira-Minde

O percurso

O percurso PR10 – Rota de Minde está extremamente bem assinalado (será que já sofreu algum período de cheia?) e é muito acessível. Este inverno foi pouco chuvoso, o que justifica que se possa percorrer todo o polje sem restrições embora, aqui e ali, se encontrem zonas com lama. Existem dois ramais que se afastam do percurso circular para visitar dois pontos de interesse: a gruta do Regatinho e a Pena do Poio.

Caminhada pelo polje de Mira-Minde

Voltaremos, provavelmente numa estação mais propícia aos insetos e às flores. Até lá!

Deixar uma resposta

Close Menu