A Borboleta do Medronheiro (Charaxes jasius – Linnaeus, 1867) é o maior lepidóptero diurno da Europa, atingindo os 80 mm de envergadura. Em Portugal é possível encontrar a espécie de Norte a Sul do país, em bosques de medronheiro (Arbutus unedo), a planta de que a lagarta se alimenta.

Medronheiro
Medronheiro

Já tinha encontrado esta borboleta anteriormente em zonas relativamente distantes. Aqui na zona, porém, apesar das saídas frequentes esta teimava em não aparecer. Esta ausência da espécie deixava-me receoso de uma extinção a nível local. Na realidade, o medronheiro é uma árvore autóctone da região hoje ocupada pelo Pinhal de Leiria. Antes da intervenção humana, toda a região deveria ser ocupada por densa vegetação mediterrânica e espécies como a C. jasius por aqui deverão ter proliferado. Atualmente os medronheiros ocorrem nesta área de forma muito dispersa, ocultos pela sombra das grandes árvores aqui introduzidas pela mão do Homem. Muitas espécies nativas não terão resistido, certamente, a estas profundas alterações no seu habitat. Teria a Borboleta do Medronheiro desaparecido completamente da Mata Nacional?

Em 1938, António Arala Pinto, numa das mais completas obras escritas acerca do Pinhal e da sua história (Pinhal do Rei: Subsídios), refere a ocorrência da espécie. Sendo certo que 70 anos é tempo suficiente para o desaparecimento de uma espécie, não me parece que o Pinhal tenha sofrido tantas alterações ao longo das últimas décadas que justificassem esta ausência. Restava-me continuar de olhos bem abertos.

Até que, finalmente, ela apareceu. Comecei por ver a sombra a passar, rápida, à minha frente. A reação é imediata para quem está habituado a procurar lepidópteros: olhar para cima para descobrir qual é a espécie. Não vi nada (foi demasiado rápida) e preparava-me para seguir o meu caminho quando ela voltou. Talvez os seus 8 cm de envergadura lhe imprimam a coragem necessária para o comportamento peculiar que se seguiu (e a que já tinha assistido antes). A C. jasius não é borboleta de fugir à vista de um intruso de máquina fotográfica em punho. Pelo contrário. Seguiram-se uma série de acrobacias aéreas e razias à minha cabeça de tal forma próximas que o bater das asas do animal era notoriamente audível. Desconheço se a intenção é afugentar ou se será apenas para investigar – mas admito que chega a ser uma situação um pouco desconcertante.

Quando sossegou pude, finalmente, tirar as fotos que registam a descoberta. Antes de me ir embora, um novo indivíduo passou nas imediações (prontamente expulso pelo primeiro), fazendo-me interrogar como é possível nunca as ter visto por aqui antes…

Borboleta do Medronheiro
Borboleta do Medronheiro

 

Borboleta do Medronheiro
Borboleta do Medronheiro

 

Borboleta do Medronheiro
Borboleta do Medronheiro

 

Borboleta do Medronheiro
Borboleta do Medronheiro

 

This Post Has One Comment

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Close Menu